1 de outubro de 2009

Blog estreia com campanha de indenização para descendentes de escravos

Agora que está em xeque a questão das cotas nas universidades e nas empresas, proponho outra solução para as históricas injustiças contra descendentes de índios e negros escravizados e/ou espoliados no Brasil. Assim como foram indenizados os judeus escravizados e/ou espoliados por Hitler, os descendentes de escravos também teriam de ser indenizados. Não me venham dizer que naquele tempo a escravidão era legal no Brasil. Na Alemanha de Hitler, a escravidão de judeus também era legal. Proponho a base mínima de um salário mínimo por mês de trabalho de cada escravo, com o total a ser dividido entre seus descendentes vivos. A indenização seria paga pelos descendentes dos donos de escravos, na proporção em que foram beneficiados pelo trabalho escravo que está na origem de suas fortunas e de seus privilégios. A simples pesquisa histórica para determinar os valores já geraria uma vasta mobilização que atingiria, por dentro e por fora, cada lar brasileiro. Devo confessar que a ideia não é minha - já existem movimentos semelhantes na África Negra e nos Estados Unidos. Acho que é uma honra para mim e é útil para os leitores iniciar assim o meu blog, que trará principalmente notícias e ideias que são importantes, mas não receberam a devida divulgação pela mídia. O blog está aberto à contribuição de todos, com a reserva de que deletarei as mensagens que eu considerar contenham ilegalidades ou imoralidades, porém explicando as razões. As mensagens devem ser devidamente assinadas. - Renato Pompeu, 1.o de outubro de 2009.

15 comentários:

rosane disse...

Caro Renato, parabéns pela iniciativa do blog. Finalmente! Serei leitora. E adorei este começo. Toda fortuna começou com um crime. Abraço!

Thiago Domenici disse...

Boa, Renatóvisqui. Bem-vindo ao mundo blogueiro. Do amigo e, novamente, leitor, Thiago Domenici

Ana Lívia disse...

Se essa ideia da indenização vingar, faço o tratamento (reverso) do Michael Jackson. rs Vou acompanhar o blog. Parabéns! Ana Lívia.

Carlos disse...

Caro Renato, parabéns pelo blog, serei leitor assíduo. Chammas.

Sofia disse...

renatãããooo... adorei! adorei inclusive a logo, o nome... parabéns!

Alceu Nader disse...

Parabéns, Renato. Assino a proposta de indenização. Já coloquei seu blog nos meus "Favoritos"; vou acompanhar. Forte abraço
Alceu

Arnaldo disse...

Olá Renato, vou acompanhar sempre seu blog.
A proposta de indenização aos desendentes de escravos é mais do que justa.
O problema é que, como diz o professor Kabengele Munanga, o racismo no Brasil é um crime perfeito. Queimaram os arquivos da escravidão no início da República e ainda há o "álibi" da miscigenação, de modo que eles, liderados pelo Demétrio Magnoli, é claro, vão argumentar que não há como provar que uma pessoa foi realmente descendente de escravos no Brasil. Sim, é absurdo, mas foi assim que eles construíram a falácia, o mito da democracia racial no Brasil.
Enfim, dificuldades há aos montes, mas isso não nos tira o direito de nos unir por essa lei, repito, muito justa.
Abs
Arnaldo

Simone disse...

Querido Renato, atrasada como sempre...mas cheguei!!! estou felicíssima por você, já estou combinando de visitá-lo sempre! Pegue pesado meu caro amigo e único companheiro dos momentos difíceis, porém, preciosos momentos de sabedoria.
simone alves

Neil disse...

Visitei o blog hoje, 2/10. Quero desejar boa sorte ao Renatão, a quem admiro há muitos anos.
Neil Ferreira

Renatão Pompeu disse...

Quero agradecer a todos que escreveram, mas quero responder especialmente ao Arnaldo. Não existe crime perfeito, mas justiça imperfeita. E podemos fazer justiça imperfeita pelos seguintes passos:
1 - Determinar, pelo exame de DNA dos interessados, quem é descendente de negros e índios no Brasil.
2 - Pesquisar detalhadamente, pelos registros históricos, quantos escravos negros e índios trabalharam ao longo dos séculos nas Américas e na África e calcular a média de seus anos de trabalho. Pesquisar o valor dos bens expropriados de negros e índios. Pesquisar quantos negros e índios foram exterminados e a média de anos de sobrevida que teriam se não tivessem sido mortos prematuramente. Calcular um salário mínimo por mês de trabalho de cada escravo e por mês de sobrevida perdido por parte de cada exterminado.
3 - Somar todos esses valores e dividir, ou igualmente entre todos os descendentes de negros e índios, ou na proporção de sua ascentralidade negra e índia determinada pelo exame de DNA.
Assim se responde a argumentação de que foram destruídos os registros por escrito da escravidão. - Renato Pompeu

Meyre Anne Brito disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Meyre Anne Brito disse...

Renato, parabéns pelo blog. Ao comentar o texto por aqui, percebo que ele é mais polêmico do que eu imaginava.
Um abraço geladinho do outono berlinense,
Meyre Anne

Renatão Pompeu disse...

Querida Meyre Anne, que polêmica foi despertada pela proposta de indenização a descendentes de escravos? Renato Pompeu

Anônimo disse...

conheça a sua história para falar uma asneira dessa. MORTE A VOCÊ SOCIALISTA CANALHA.
Renato souza.cruz@estadao.com.br

Renatão Pompeu disse...

Eu deveria deletar, pelas regras apresentadas do blogue, a mensagem acima, por incitar ao homicídio e promover injúria, duas ilegalidades, mas resolvi deixá-la, para que conste como informativa do nível de seu autor.
Renato Pompeu