15 de setembro de 2010

Uma avaliação sobre Cuba

Da França, Dan Koechling d.koechlin@wanadoo.fr enviou a seguinte mensagem para a lista americana Marxism: "Cuba está cortando 1 milhão de empregos na economia 'socialista'. Cuba espera se tornar a próxima maquiladora. Pensamento esperto por parte do regime. Seguindo o exemplo chinês e vietnamita. A proximidade aos EUA, sem sindicatos, regime repressivo... ideal para a exploração da força do trabalho. A dita força de trabalho é saudável, graças ao castrismo, não há analfabetismo. Muitos jeans para serem feitos, depois de 30 anos fazendo açúcar para a União Soviética. É isso que você obtèm quando impõe o chamado 'socialismo' de cima: ditadura e obediência servil. É claro que o socialismo real, e a autogestão dos trabalhadores, nunca foi tentado em Cuba. Fidel, Che e Raúl tinham uma alternativa melhor". Proponho que os que acompanham o meu blogue discutam isso.

4 comentários:

Renato disse...

Concordo com o comentário. Mas faço duas observações:
a. a perspectiva inicial era a construção do socialismo, após a aliança com a URSS, esta inicativa foi sendo minada com o estabelecimento de um modelo semelhante ao soviético, que esta longe de ser socialista.
b. A visão de Che era diferente.

Jonas Pinheiro disse...

Admiro Cuba pela resistencia, de msm com um embargo consegui resistir com o sistema socialista. Onde está a "democracia" do qual gaba-se os defensores do sistema capitalista em q aqueles q não compactuam com o sistema são ceifados?
Creio q sem embargo não seria necessário ditadura.

AF STURT disse...

Bom,não estou de acordo com o que está acontecendo em Cuba.Porém qual a outra alternativa?
Na verdade o que deveria ser feita é uma descentralização da atividade econômica mas socializando e planejando com auto e co- gestão de amplitude ampla o estatal.
Isso não pode está acontecendo em Cuba,poís tem uma presão forte de fora e uma luta ideologica de dentro.
Está mais fácil cair no pior, que é o mercado do que um novo tipo de socialismo planejado de baixo para cima.
Mas também temos que levar em consideração que o estado ainda está forte e mais o mercado cubano pode falir como disse esse relatorio que vc colocou no blog.
Qual a consequência disso?Voltar todo mundo para estado.Por que se não voltar vai cair por tabela tudo que a revolução combate em relação ao anterior dela.Desemprego,violência e etc.Ou seja ,o discurso não vai colar é entrará num caos...
Alias isso é parte da propaganda que da força ao governo.Se isso for mudado todo discurso da revolução não tera validade para seu povo e vai ser necessário um abertura geral tanto na areia politica como nas areias economicas.Ou seja morre o anti-imperialsimo e nacionalismo cubano.Será que isso acontecerá?
A sociedade cubana,entre eles seus lideres, tem essas caractéristicas e isso não muda do dia para a noite.

AF STURT disse...

Bom eu estou achando que o texto é do Renato,porém não é?

Mas, o meu comentário acima é para o autor do texto e concordando com as observações dos comentaristas anterior a mim...