8 de março de 2013

Blog muda para ficar mais crítico

O Blog do Renatão começou dentro do portal da revista Caros Amigos, que se apresenta como "a primeira à esquerda", e assim começou e se manteve até agora, mesmo há tempo fora do portal da Caros, meio que especializado em publicar notícias importantes para os meios progressistas que não tinham sido destacadas na grande mídia e mesmo na mídia alternativa. Por isso, a grande maioria das postagens se referia a notícias internacionais importantes para o movimento progressista, mas pouco divulgadas. No entanto, com a impotência dos movimentos progressistas diante da atual crise estrutural do capitalismo global, sua falta de ideias para superar a crise, sua incapacidade de mobilizar as pessoas, de que são exemplos maiores a primavera árabe e as recentes eleições italianas, esse tipo de notícia passou a ser cada vez mais raro e se tornou impossível atualizar o blog diariamente, o que era um dos objetivos. Por esse motivo, o blog está passando por uma reformulação para ficar mais crítico, ao mesmo tempo que continuará publicando o tipo de notícia já mencionado, na medida em que essas notícias sejam realmente importantes. Aguardo comentários sobre as mudanças no blog.

3 comentários:

pilar da ponte do tédio disse...

Essas suas considerações são pra lá de interessantes, fazem pensar.
Se você, intelectual progressista que eu respeito, considera que não existe potência nos movimentos progressistas, penso que estamos lascados.
Sempre esperando coisas pertinentes de você, um abraço

AF Sturt Silva disse...

Bom, mas que tipo de mudança vc pretende fazer?

Glauber Ataide disse...

Talvez o maior problema não seja exatamente a incapacidade de mobilização dessas organizações. Vejamos na Grécia, por exemplo, onde o KKE (Partido Comunista) conclama multidões gigantescas para greves gerais. O problema, a meu ver, é justamente a linha política desses partidos que convocam as mobilizações: falta a ousadia de avançar.

É uma mobilização atrás da outra, uma greve geral atrás da outra, mas não sai disso.